A queda do homem*

PecadoA criação teve um começo glorioso porque a terra estava cheia da glória de Deus. Tudo refletia o Criador. 

Então, de repente, o homem deixou de ser santo e o jardim foi perdido para ele.

Por razões que Deus não explica, depois de determinado tempo, Ele deixou o tentador entrar no jardim para tentar o homem.

A árvore do conhecimento do bem e do mal significava o elemento físico posto ali para provar a fidelidade de Adão e Eva. Satanás sugeriu a Eva que Deus não queria que suas criaturas fossem iguais a Ele: conhecedores do bem e do mal.

Deus não precisa experimentar o mal para conhecê-lo. O homem não precisava experimentar para saber o que é o mal. Ele precisava apenas confiar nas palavras de Deus.

Stedman (Entendendo o homem) diz:

“As criaturas do universo são feitas para descobrir a diferença entre bem e mal porque relacionam tudo ao ser de Deus, não a si mesmas.

Quando o homem comeu do fruto, ele passou a fazer tudo o que Deus faz: a relacionar tudo a si mesmo…

Quando o homem começou a pensar de si mesmo como centro do universo, ele se tornou igual a Deus. Mas tudo isso era uma mentira. O homem não é o centro do universo e não pode ser”.

Qual é o pecado de Adão?

Conhecer o bem e o mal?

Não.

O pecado de Adão foi a desobediência.

Adão comeu do fruto proibido, desobedientemente, porque não creu nas palavras de Deus.

E a maldição veio sobre toda a criação!

 *Texto adaptado do livro “O habitat humano – o paraíso perdido” de Heber Carlos Campos. Editora Hagnos.

Beth Alves.

Anúncios

ARTIGO: O DEUS QUE SE REVELA – A MAJESTADE DE DEUS NA CRIAÇÃO COMO ARTIGO – PREMISSA TEOLÓGICA, ANTROPOLÓGICA E ECOLÓGICA (SL 8.1-9) (VOLUME XVIII)

Revelação de DeusPOR HERMISTEN MAIA PEREIRA DA COSTA

(Mestre e Doutor em Ciências da Religião, pastor da Igreja Presbiteriana Ebenézer, em Osasco (SP), e professor de Teologia Sistemática do Seminário Presbiteriano Rev. José Manoel da Conceição, em São Paulo)

Neste artigo o autor, partindo do Salmo 8, analisa aspectos da majestade de Deus revelados na criação e, especialmente, no homem, criado à sua imagem e semelhança. Sustenta que, para que o homem possa ter uma visão correta de Deus, de si mesmo e da criação em geral, faz-se necessário começar por uma compreensão correta de Deus conforme ele mesmo se dá a conhecer a fim de que possamos responder-lhe em adoração e obediência.

Demonstra que somente partindo de Deus podemos perceber a beleza da Criação, ainda que esta aguarde a sua restauração, que manifesta de forma majestosa a bondade, sabedoria e poder de Deus. Apenas assim poderemos adquirir uma ótica correta para enxergar a vida e o dinamismo necessário para agir de modo coerente com a nossa fé.

O genuíno conhecimento de Deus deve guiar a nossa teologia, antropologia, ecologia e, consequentemente, a nossa práxis.

Continue lendo…

A COSMOGONIA BÍBLICA / A CRIAÇÃO

A cosmogonia trata da origem e da evolução do universo, ou seja, sua função é descobrir como surgiram a terra e os demais planetas e astros.

Vamos ver como  as pessoas da antiguidade encaravam a questão da origem do universo.

a) Acadianos, sumérios e babilônios

Os povos que habitava a antiga Criaçãomesopotâmia, elaboraram uma teoria composta entre o terceiro e o segundo milênio antes de Cristo diz que os deuses travaram batalhas com as forças desagregadoras. Destas lutas teriam surgido os céus, a terra, o mar, os animais e o ser humano.

b) Gregos

Mais desenvolvidos cientificamente que os povos da antiguidade, tiveram vários filósofos com diferentes posicionamentos.

* Anaximandro – ensinava que o mundo teve origem de uma substância indefinida: apeíron, em grego, sem fim.

* Tales de Mileto – segundo ele tudo veio da água. Foi levado a ter este posicionamento depois de verificar a presença da água em todas as coisas.

* Anaxímenes de Mileto – afirmava ser o ar o princípio de tudo. Argumentava que tudo dependia do ar ( fogo, água em estado gasoso…).

* Heráclito – argumentava estarem as coisas em constante devenir. Tudo corre, tudo flui ensinava. O cosmo transmuta-se constantemente.

* Empédocles – cria nos quatro elementos originais: ar, água, fogo e terra. Mais tarde esta tese seria empossada por Aristóteles.

*Anaxágoras – o universo é formado por partículas diminutas – podem estar em estado animado ou não. Aristóteles chamou estas partículas de homeomerias.

* Leucipo – afirma que todas as coisas (inclusive a alma) são compostas por corpúsculos invisíveis a olho nu. Chamou tais corpúsculos de átomos que, em grego, significa: aquilo que não pode ser dividido. Hoje sabemos que a fusão do átomo é possível.

* Pitágoras de Samos – Devoto da matemática, apontava Deus como a Grande Unidade e o Número Perfeito. Deste Número Perfeito, ensinava, originou-se tudo o que existe.

* Xenófanes – Era monoteísta e desprezava a mitologia helena. Cria ser o universo obra de um Deus único e verdadeiro. É um dos poucos gentios a ter uma concepção quase perfeita com relação ao criacionismo bíblico, embora ignorasse a existência das Escrituras.

c) Outros

* Os índios da América do Norte – a matéria original do universo é a própria terra.

* Maias – uma criação em três partes: primeiro Hunab, o deus único, cria-se a si mesmo. Em seguida, ele fez os céus e a terra. Na última parte, Hunab misturando terra e água forma o primeiro homem. Os maias consideravam a terra e a água as matérias primas do universo.

* Os índios brasileiros – dois deuses criadores: Monã, criador do céu, da terra e dos animais; e Amã Atupane (provavelmente Tupã), criador do mar. Os jesuítas consideravam Amã Atupane a mais correta idéia de deus dos nativos desta parte do continente americano.

d) O que a Bíblia diz acerca da matéria prima original

No que diz respeito à matéria prima original os hebreus destoam totalmente dos demais povos. Não se ocupavam da cosmogonia. Criam firmemente que “No princípio criou Deus os céus e a terra”. Não diz o Pentateuco (a Torah) que a terra e os céus foram chamados à existência a partir da Palavra de Deus? Por que se ocupar de uma matéria eterna se a eternidade é um atributo exclusivo do Todo Poderoso?

O autor da epístola aos Hebreus escreve: “Pela fé entendemos que foi o Universo formado pela palavra de Deus, de maneira que o visível veio a existir das coisas que não aparecem” (Hebreus 11:23)

Significa que Deus criou o universo ex nihilo, ou seja, a partir do nada. Foi o que Paulo quis deixar bem claro aos filósofos epicureus e estóicos quando de seu discurso no Areópago de Atenas: “O Deus que fez o mundo e tudo que nele existe…” (Atos 17:24).

Charles C. Ryrie, renomado teólogo diz: “ Criatio ex nihilo. Esta frase significa que ao criar, Deus não empregou matérias primas preexistentes. Indica-o Hebreus 11:3 bem como o relato de Gênesis 1. Antes de seu Fiat criativo, não havia outra classe de existência fenomenológica. Isto exclui a idéia de que a matéria seja eterna. Criatio ex nihilo é um conceito que ajuda, desde que entendamos o seu real significado. Ou seja: que entidades físicas foram criadas dos recursos não físicos da onipotência de Deus”.

A partir desta perspectiva torna-se muito mais fácil e emocionante estudar a geografia das terras que serviram de cenário à História da Salvação.

Instituto Abba

Convite – Dialogue Instituto Abba

Dialogue FevereiroÉ amanhã!

Neste sábado às 19:30 na Igreja Evangélica Aviva acontecerá o nosso Dialogue e você é o nosso convidado.

Venha estar conosco neste descontraído bate papo onde abordaremos o tema “A criação do habitat humano”.

A Igreja Evangélica Aviva fica na Avenida Amazonas,  2.819, Gutierrez – entre a Avenida do Contorno e a Avenida Francisco de Sá.

Estaremos disponibilizando o material complementar para estudo no valor de R$12,00(opcional)

Contato (31) 2512-8969 ou cursos@institutoabba.com

Ate lá!

Dialogue – Tema: A criação do habitat humano

O nosso Dialogue já está com data marcada e acontecerá no dia 21 de fevereiro às 19:30  e você é o nosso convidado(a). Falaremos das características físicas, morais, sociais e espirituais do habitat criado por Deus para morada do homem.

Dialogue

Estaremos disponibilizando o material complementar para estudo no valor de R$12,00 (opcional)

Confirme a sua presença!

Contato (31) 2512-8969 ou cursos@institutoabba.com

Esperamos você na Igreja Evangélica Aviva – Avenida Amazonas,  2.819, Gutierrez – entre a Avenida do Contorno e a Avenida Francisco de Sá.

Ate lá!