Os dez mandamentos – O mapa cultural do povo de Deus

10 mandamentosA Torah mostra o chamado de Deus à obediência e mostra também as bênçãos decorrentes desta obediência. O chamado à obediência é colocado depois de instruir o povo a amar o Senhor de todo coração, de toda a alma e de toda a tua força. (Deuteronômio 6:5)

Deus escolheu o povo hebreu, o povo de Israel, o povo judeu para revelar, manifestar e guardar a sua Palavra. O Antigo testamento mostra como as formas culturais teriam que se encaixar no conteúdo e na forma bíblicos, pois este é supracultural. A tendência ao sincretismo sempre esteve arraigada no coração do povo.

O Dicionário Webster define teologia como uma ciência que trata de fatos e fenômenos de religião e das relações entre Deus e o homem. A Torah (Pentateuco) traz a síntese da teologia bíblica do Antigo Testamento para o povo escolhido, detalhando seu relacionamento.

Esse povo tinha um apelido, historicamente, “Povo do Livro” – uma aliança, comportamento e conduta selado num livro. Este povo tinha um destino traçado – Êxodo 5 e 6.
Somos o “Povo do Livro” – povo com uma vida diferente e moldada pelos princípios que Deus estabeleceu em seu livro.  A Bíblia deve ser o nosso mapa cultural, social, nosso roteiro de vida.  Os estatutos e mandamentos foram dados por Deus para guiar e orientar seu povo.

PRIMEIRO MANDAMENTO

Eu sou o Senhor teu Deus… Não terás outros deuses diante de mim (Ex 20:2,3)
Deus é único e sem igual! Deus trata o princípio da adoração e da soberania. A adoração é exclusiva a Deus (Ex 34:14). Deus não aceita o sincretismo: tentativa de integrar crenças e práticas diversas. O povo de Israel enfrentava este perigo (2 Reis 17:33-35). Deus chama essa mescla de adoração de prostituição e infidelidade espiritual (Salmo 106: 35-39). A aliança entre Deus e Israel é descrita como um casamento. Deus é único Senhor e protetor, enquanto Israel é, em particular, amada como noiva ou esposa (Dt 6:14, 15 e Mt 4:10).

SEGUNDO MANDAMENTO

Não farás para ti imagem de escultura… (Ex 20:4)
Deus é espírito! Ele não pode ser adorado sob a forma de nenhuma representação simbólica ou material (Jo 4:24 e Dt 4:15-19)

TERCEIRO MANDAMENTO

Não tomarás o nome do Senhor teu Deus em vão... Ex 20:7
Deus é santo! O nome de Deus é santo! Deus é santo e o seu nome o liga diretamente à sua pessoa e caráter. O nome é a totalidade de Deus! Santidade é a atmosfera do servir a Deus! (1 Pe 1:14-16).

QUARTO MANDAMENTO

Lembra-te do dia do sábado para o santificar... Ex 20:8
Santificação do trabalho, do descanso e lembrança do Shabbat Eterno! Lembrança da criação e do tempo que o homem viveu com o Senhor. Princípios de Mordomia com relação ao tempo, trabalho, bens, dinheiro e ofertas.
Seis dias trabalharás e farás toda a tua obra (verso 9).Mas o sétimo dia é o Sábado do Senhor teu Deus; não farás nenhum trabalho, nem tu, nem teu filho, nem tua filha, nem teu servo, nem a tua serva, nem o teu animal, nem o forasteiro das tuas portas para dentro; porque em seis dias fez o Senhor os céus e a terra, o mar e tudo o que neles há, e ao sétimo dia descansou; por isso o Senhor abençoou o dia de Sábado, e o santificou (versos 10 e 11)

1 – Deus instituiu o trabalho. Todos devemos nos envolver em trabalho produtivo.
2 – Deus instituiu o descanso semanal. Todos devemos trabalhar seis dias e descansar um dia.
3 – A capacidade de trabalhar vem de Deus . Dt 8: 17, 18
4 – Deus instituiu a oferta. Reconhecimento que Deus é soberano e que o homem é submisso a Ele. Primícias do trabalho.

QUINTO MANDAMENTO

Honra a teu pai e tua mãe, para que se prolonguem os teus dias na terra que o Senhor teu Deus te dá . Ex 20:12
A honra é devida aos pais! Deus prioriza a família e regula princípios para ela. A parte dos pais é criar os filhos no temor e na disciplina do Senhor e a dos filhos é obedecer e honrar os pais. A vida em família é o centro da cultura bíblica e dos relacionamentos e não os indivíduos. A família é vista como grupo único e distinto, permanecendo unida e indivisível em todas as esferas da vida: adoração; trabalho; comunhão. Século XVIII – início do individualismo com a revolução industrial e a vida urbana.

A família da modernidade e pós modernidade:
Anos 70 – na entrada da mulher no mercado de trabalho.
Anos 90 – revolução tecnológica, informação e globalização. Pai e mãe trabalhando fora de casas, educação dos filhos pelas escolas e babás, falta de tempo em família.
A estrutura familiar tem sido abalada e os princípios de Deus para a família têm sido substituídos por padrões da “modernidade”.

SEXTO MANDAMENTO

Não matarás. Ex 20: 13)
A vida humana é santa! A vida é de Deus e ele regula com rigorosidade qualquer agressão a ela. Deus proíbe ferir o outro, matar, raptar, sequestrar, causar dano e praticar violência. Nenhum ato de violência seja individual, cultural ou esportiva tem base bíblica para que ocorra.

SÉTIMO MANDAMENTO

Não adulterarás. Ex 20:14.
O casamento é santo! Deus regula as atividades sexuais e protege a família. Lv 18 trata das leis sobre o casamento e das relações sexuais ilícitas. Lv 19 e vários textos em Provérbios proíbem a prostituição. Ex 23:26 proíbe o aborto. A bíblia proíbe o adultério, prostituição, o homossexualismo, o lesbianismo, o incesto, a fornicação e a bestialidade, prescrevendo que as relações sexuais sejam dentro do casamento, dentro de uma aliança.

OITAVO MANDAMENTO

Não furtarás. Ex 20:15.
A santidade da propriedade. Deus traça o direito de propriedade e em Ex 22:1 – 15 e Lv 19: 11-15, Deus prescreve as leis de propriedade, condenando toda espécie de roubo. Lv 20 trata de leis diversas. O sétimo, oitavo e nono mandamentos referem-se à vida social do homem, alertando para a violência social e a degradação moral.

NONO MANDAMENTO

Não dirás falso testemunho contra o teu próximo. Ex 20:16
A santidade do bom nome do próximo. Aqui Deus trata do direito do próximo. Ex 23: 1-9 e Lv 19:16-19 estipula leis acerca do falso testemunho e da injúria.

DÉCIMO MANDAMENTO

Não cobiçarás. Ex 20:17.
Santidade contra a cobiça. Não desejar nada que pertença a outra pessoa. Ambição é querer sempre mais. Ganância é nunca estar satisfeito. Cobiça é querer o que não é legítimo. Inveja é o desejo de possuir o que é de outro.

Que sejamos conhecidos pelas nossas atitudes que são a manifestação do senhorio de Cristo em nossas vidas. Ele é quem nos dá graça para vivermos longe do pecado e assim ir caminhando e no caminho glorificando o seu nome.

Graça e Paz!

Anúncios

A queda do homem*

PecadoA criação teve um começo glorioso porque a terra estava cheia da glória de Deus. Tudo refletia o Criador. 

Então, de repente, o homem deixou de ser santo e o jardim foi perdido para ele.

Por razões que Deus não explica, depois de determinado tempo, Ele deixou o tentador entrar no jardim para tentar o homem.

A árvore do conhecimento do bem e do mal significava o elemento físico posto ali para provar a fidelidade de Adão e Eva. Satanás sugeriu a Eva que Deus não queria que suas criaturas fossem iguais a Ele: conhecedores do bem e do mal.

Deus não precisa experimentar o mal para conhecê-lo. O homem não precisava experimentar para saber o que é o mal. Ele precisava apenas confiar nas palavras de Deus.

Stedman (Entendendo o homem) diz:

“As criaturas do universo são feitas para descobrir a diferença entre bem e mal porque relacionam tudo ao ser de Deus, não a si mesmas.

Quando o homem comeu do fruto, ele passou a fazer tudo o que Deus faz: a relacionar tudo a si mesmo…

Quando o homem começou a pensar de si mesmo como centro do universo, ele se tornou igual a Deus. Mas tudo isso era uma mentira. O homem não é o centro do universo e não pode ser”.

Qual é o pecado de Adão?

Conhecer o bem e o mal?

Não.

O pecado de Adão foi a desobediência.

Adão comeu do fruto proibido, desobedientemente, porque não creu nas palavras de Deus.

E a maldição veio sobre toda a criação!

 *Texto adaptado do livro “O habitat humano – o paraíso perdido” de Heber Carlos Campos. Editora Hagnos.

Beth Alves.