Os dez mandamentos – O mapa cultural do povo de Deus

10 mandamentosA Torah mostra o chamado de Deus à obediência e mostra também as bênçãos decorrentes desta obediência. O chamado à obediência é colocado depois de instruir o povo a amar o Senhor de todo coração, de toda a alma e de toda a tua força. (Deuteronômio 6:5)

Deus escolheu o povo hebreu, o povo de Israel, o povo judeu para revelar, manifestar e guardar a sua Palavra. O Antigo testamento mostra como as formas culturais teriam que se encaixar no conteúdo e na forma bíblicos, pois este é supracultural. A tendência ao sincretismo sempre esteve arraigada no coração do povo.

O Dicionário Webster define teologia como uma ciência que trata de fatos e fenômenos de religião e das relações entre Deus e o homem. A Torah (Pentateuco) traz a síntese da teologia bíblica do Antigo Testamento para o povo escolhido, detalhando seu relacionamento.

Esse povo tinha um apelido, historicamente, “Povo do Livro” – uma aliança, comportamento e conduta selado num livro. Este povo tinha um destino traçado – Êxodo 5 e 6.
Somos o “Povo do Livro” – povo com uma vida diferente e moldada pelos princípios que Deus estabeleceu em seu livro.  A Bíblia deve ser o nosso mapa cultural, social, nosso roteiro de vida.  Os estatutos e mandamentos foram dados por Deus para guiar e orientar seu povo.

PRIMEIRO MANDAMENTO

Eu sou o Senhor teu Deus… Não terás outros deuses diante de mim (Ex 20:2,3)
Deus é único e sem igual! Deus trata o princípio da adoração e da soberania. A adoração é exclusiva a Deus (Ex 34:14). Deus não aceita o sincretismo: tentativa de integrar crenças e práticas diversas. O povo de Israel enfrentava este perigo (2 Reis 17:33-35). Deus chama essa mescla de adoração de prostituição e infidelidade espiritual (Salmo 106: 35-39). A aliança entre Deus e Israel é descrita como um casamento. Deus é único Senhor e protetor, enquanto Israel é, em particular, amada como noiva ou esposa (Dt 6:14, 15 e Mt 4:10).

SEGUNDO MANDAMENTO

Não farás para ti imagem de escultura… (Ex 20:4)
Deus é espírito! Ele não pode ser adorado sob a forma de nenhuma representação simbólica ou material (Jo 4:24 e Dt 4:15-19)

TERCEIRO MANDAMENTO

Não tomarás o nome do Senhor teu Deus em vão... Ex 20:7
Deus é santo! O nome de Deus é santo! Deus é santo e o seu nome o liga diretamente à sua pessoa e caráter. O nome é a totalidade de Deus! Santidade é a atmosfera do servir a Deus! (1 Pe 1:14-16).

QUARTO MANDAMENTO

Lembra-te do dia do sábado para o santificar... Ex 20:8
Santificação do trabalho, do descanso e lembrança do Shabbat Eterno! Lembrança da criação e do tempo que o homem viveu com o Senhor. Princípios de Mordomia com relação ao tempo, trabalho, bens, dinheiro e ofertas.
Seis dias trabalharás e farás toda a tua obra (verso 9).Mas o sétimo dia é o Sábado do Senhor teu Deus; não farás nenhum trabalho, nem tu, nem teu filho, nem tua filha, nem teu servo, nem a tua serva, nem o teu animal, nem o forasteiro das tuas portas para dentro; porque em seis dias fez o Senhor os céus e a terra, o mar e tudo o que neles há, e ao sétimo dia descansou; por isso o Senhor abençoou o dia de Sábado, e o santificou (versos 10 e 11)

1 – Deus instituiu o trabalho. Todos devemos nos envolver em trabalho produtivo.
2 – Deus instituiu o descanso semanal. Todos devemos trabalhar seis dias e descansar um dia.
3 – A capacidade de trabalhar vem de Deus . Dt 8: 17, 18
4 – Deus instituiu a oferta. Reconhecimento que Deus é soberano e que o homem é submisso a Ele. Primícias do trabalho.

QUINTO MANDAMENTO

Honra a teu pai e tua mãe, para que se prolonguem os teus dias na terra que o Senhor teu Deus te dá . Ex 20:12
A honra é devida aos pais! Deus prioriza a família e regula princípios para ela. A parte dos pais é criar os filhos no temor e na disciplina do Senhor e a dos filhos é obedecer e honrar os pais. A vida em família é o centro da cultura bíblica e dos relacionamentos e não os indivíduos. A família é vista como grupo único e distinto, permanecendo unida e indivisível em todas as esferas da vida: adoração; trabalho; comunhão. Século XVIII – início do individualismo com a revolução industrial e a vida urbana.

A família da modernidade e pós modernidade:
Anos 70 – na entrada da mulher no mercado de trabalho.
Anos 90 – revolução tecnológica, informação e globalização. Pai e mãe trabalhando fora de casas, educação dos filhos pelas escolas e babás, falta de tempo em família.
A estrutura familiar tem sido abalada e os princípios de Deus para a família têm sido substituídos por padrões da “modernidade”.

SEXTO MANDAMENTO

Não matarás. Ex 20: 13)
A vida humana é santa! A vida é de Deus e ele regula com rigorosidade qualquer agressão a ela. Deus proíbe ferir o outro, matar, raptar, sequestrar, causar dano e praticar violência. Nenhum ato de violência seja individual, cultural ou esportiva tem base bíblica para que ocorra.

SÉTIMO MANDAMENTO

Não adulterarás. Ex 20:14.
O casamento é santo! Deus regula as atividades sexuais e protege a família. Lv 18 trata das leis sobre o casamento e das relações sexuais ilícitas. Lv 19 e vários textos em Provérbios proíbem a prostituição. Ex 23:26 proíbe o aborto. A bíblia proíbe o adultério, prostituição, o homossexualismo, o lesbianismo, o incesto, a fornicação e a bestialidade, prescrevendo que as relações sexuais sejam dentro do casamento, dentro de uma aliança.

OITAVO MANDAMENTO

Não furtarás. Ex 20:15.
A santidade da propriedade. Deus traça o direito de propriedade e em Ex 22:1 – 15 e Lv 19: 11-15, Deus prescreve as leis de propriedade, condenando toda espécie de roubo. Lv 20 trata de leis diversas. O sétimo, oitavo e nono mandamentos referem-se à vida social do homem, alertando para a violência social e a degradação moral.

NONO MANDAMENTO

Não dirás falso testemunho contra o teu próximo. Ex 20:16
A santidade do bom nome do próximo. Aqui Deus trata do direito do próximo. Ex 23: 1-9 e Lv 19:16-19 estipula leis acerca do falso testemunho e da injúria.

DÉCIMO MANDAMENTO

Não cobiçarás. Ex 20:17.
Santidade contra a cobiça. Não desejar nada que pertença a outra pessoa. Ambição é querer sempre mais. Ganância é nunca estar satisfeito. Cobiça é querer o que não é legítimo. Inveja é o desejo de possuir o que é de outro.

Que sejamos conhecidos pelas nossas atitudes que são a manifestação do senhorio de Cristo em nossas vidas. Ele é quem nos dá graça para vivermos longe do pecado e assim ir caminhando e no caminho glorificando o seu nome.

Graça e Paz!

Anúncios

SÉRIE: REGRAS GERAIS DE INTERPRETAÇÃO BÍBLICA III

Regras gerais de interpretação bíblica

Interpretação bíblica

Regra três: A fé salvadora e o Espírito Santo são-nos necessários para compreendermos e interpretarmos bem as Escrituras.

“Quem tem ouvidos [para ouvir] ouça” (Mateus 13: 9), disse Jesus ao concluir a parábola do Semeador. Em seguida interpretou unicamente para o seus discípulos: “Porque o coração deste povo está endurecido, de mau grado ouviram com seus ouvidos, fecharam os seus olhos; para não suceder quem vejam com os olhos, ouçam com os ouvidos, entendam com o coração, se convertam e sejam por mim curados”. (Mateus 13: 15)

O deus desta era cegou o entendimento dos descrentes, para que não vejam a luz do evangelho da glória de Cristo, que é a imagem de Deus. 2 Coríntios 4:4

Satanás faz tudo o que é possível para impedir que as pessoas compreendam a verdade espiritual. Ao ler uma passagem bíblica um cristão compreende com clareza a mensagem, mas a mesma mensagem muitas vezes não é compreendida ou acaba sendo deturpada quando lida por um não cristão.  Paulo fala disso em I Coríntios, veja:

Quem não tem o Espírito não aceita as coisas que vêm do Espírito de Deus, pois lhe são loucura; e não é capaz de entendê-las, porque elas são discernidas espiritualmente. 1 Coríntios 2:14

 Um claro exemplo disto encontrasse na passagem que nos relata a ressuscitação de Lázaro, perceba:

Jesus bradou em alta voz: “Lázaro, venha para fora! ” O morto saiu, com as mãos e os pés envolvidos em faixas de linho, e o rosto envolto num pano. Disse-lhes Jesus: “Tirem as faixas dele e deixem-no ir”. Muitos dos judeus que tinham vindo visitar Maria, vendo o que Jesus fizera, creram nele. Mas alguns deles foram contar aos fariseus o que Jesus tinha feito. João 11:43-46

Alguns viram  o fato como era, um milagre de Deus. Outros interpretaram como uma ameaça a sua crença, ou metas e objetivos. Hoje não é diferente nos depararmos com aqueles que não creem ou não aceitam as verdades bíblicas, mas precisamos de antes de jugá-los por isso, compreender que existe uma batalha espiritual travada e que o deus deste século trabalha para cegar as pessoas de modo que não vejam as verdades escritas.

Com o cristão ele tenta fazer algo semelhante, por isso temos que nos aprofundar e estar cientes de que dependemos do Espírito Santo, pois é Ele quem nos guia a toda verdade.

Nós, porém, não recebemos o espírito do mundo, mas o Espírito procedente de Deus, para que entendamos as coisas que Deus nos tem dado gratuitamente. 1 Coríntios 2:12

Ver as coisas do ponto de vista de Deus é um ministério exercido pelo Espírito Santo a favor daqueles que confiaram nele não só para a salvação, mas também para iluminação.

Cíntia Silveira.

Texto adaptado “Princípios de interpretação bíblica – Walter A. Henrichesen”.

Matrículas Abertas – Estudos Bíblicos Avançados

Estude no Abba

EBA – Estudos Bíblicos Avançados 

Você deseja conhecer um pouco mais das Escrituras e se aprofundar no conhecimento da Palavra de Deus?

Estude conosco no Instituto Abba.

Temática e Horário de Aulas:

Trabalharemos os seguintes módulos de estudo:

– Estudo do Pentateuco

– Antropologia Cultural Bíblica

– Introdução ao Hebraico e Grego

– A Esperança da Redenção I

– Biografia de Jesus

– Estudo de Atos e Cartas Paulinas

– A Esperança da Redenção II

– Escatologia

As aulas presenciais são ministradas às segundas e quartas feiras no horário de 19:00 às 22: 00 horas. Os alunos poderão gravar os áudios de todas as aulas.

Entre em contato conosco (31) 2512-8969 ou pelo email: cursos@institutoabba.com

Será uma grande alegria receber o seu contato.

Instituto Abba

 

 

SÉRIE: REGRAS GERAIS DE INTERPRETAÇÃO BÍBLICA II

Deixar a Bíblia falar por si mesma, não acrescentar e também não retirar nada, este é um importante princípio para uma boa interpretação bíblica. Neste post iremos compartilhar um pouco mais a respeito das regras de interpretação, e se você ainda não leu os primeiros posts da série, eu o convido.

Você pode lê-los clicando aqui e aqui.

BÍBLIA

Regras gerais de interpretação bíblica

REGRA DOIS: A BÍBLIA É SEU INTÉRPRETE – A ESCRITURA EXPLICA MELHOR A ESCRITURA

É bastante perigoso usar outros meios para interpretação das Escrituras, pois um grande risco que corremos é retira-la do seu contexto. É bem possível que haja omissão ou até que se acrescente algo quando é realizada uma interpretação equivocada.  Por isso, deixe a Bíblia falar por ela mesma, não acrescente nem retire, deixe-a ser seu próprio comentário.

Uma dica importante ao estudar um capítulo ou um parágrafo é procurar no contexto a interpretação do mesmo. Deixe a Escritura explicar a própria Escritura, invista tempo em conhecer esta preciosidade. Ouça a Deus com compreensão, atenção e zelo.

Aguardo você no próximo post da série: Regras gerais de interpretação bíblica.

Cíntia Silveira.

Texto adaptado “Princípios de interpretação bíblica – Walter A. Henrichesen”.

SÉRIE: REGRAS GERAIS DE INTERPRETAÇÃO BÍBLICA I

“De todo o coração te busquei; não me deixes fugir aos teus mandamentos. Guardo no coração as tuas palavras, para não pecar contra ti”.

Salmo 119: 10 – 11

Bíblia

Todo cristão tem em seu coração o desejo em prosseguir e conhecer a Palavra de Deus, pois ele reconhece e sabe que é através desta Palavra que os segredos de Deus são revelados a ele. Nesta série estamos compartilhando princípios para uma correta interpretação das Escrituras e você é o nosso convidado a mergulhar neste ensino.

Regras gerais de interpretação:

REGRA UM: TRABALHE PARTINDO DA PRESSUPOSIÇÃO DE QUE A BÍBLIA TEM AUTORIDADE

Tradição, razão ou Escrituras, consciente ou inconsciente é comum adotar umas das três citações como autoridade máxima ao estudar a Bíblia. Na Igreja Católica Romana, por exemplo, a tradição é o juiz e em boa parte do protestantismo é o racionalismo que ocupa este lugar, mas um cristão fiel não deve abrir mão de ter as Escrituras como sua autoridade maior, pois somente reconhecendo a Bíblia como autoridade se pode experimentar de uma vida de obediência e rendição ao Deus Criador.

“Se alguém quiser fazer a vontade dele, conhecerá a respeito da doutrina, se ela é de Deus ou se falo por mim mesmo”.

João 7: 17

 Parafraseando o autor do livro Princípios gerais de interpretação bíblica, Walter Henrichsen, “o fazer vem antes do saber”. É necessário se entregar, se submeter e obedecer, e então somente será possível conhecer. É imprescindível que o cristão tenha a Bíblia como máxima autoridade.

Aguardo você no próximo post da série: Regras gerais de interpretação bíblica.

Cíntia Silveira.

Texto adaptado “Princípios de interpretação bíblica – Walter A. Henrichesen”.

EBA – Estudos Bíblicos Avançados

EBA –Estudos Bíblicos Avançados
100
 
Visão
 
O EBA – Estudos Bíblicos Avançados é um curso livre com um currículo de um ano, onde trabalha a mensagem bíblica em seu ambiente formativo, histórico com seus principais termos, categorias e formas de pensamento, apresentando o cenário histórico cultural, mostrando o pano de fundo em que a mensagem foi revelada, permitindo o conhecimento do significado dos textos em seus contextos, bem como sua aplicação atual. Usamos de uma bibliografia extensa mas cremos que a veracidade e a autoridade da Bíblia se sobrepõe a todas as ciências e argumentos. O nosso objetivo é cooperar para a formação de cristãos que manejem bem a Palavra da Verdade e que sejam multiplicadores deste conhecimento.
 
Investimento:
 
O curso será pago em matrícula de R$ 210,00 e mais 10 parcelas de R$ 210,00, sendo que o aluno terá participação gratuita  no workshop realizado durante o ano letivo, bem como desconto de 50% em atividades avulsas do Abba.
 
Temática e Horário de Aulas
 
Trabalharemos os seguintes módulos de estudo:
– Estudo do Pentateuco
– Antropologia Cultural Bíblica
– Introdução ao Hebraico e Grego
– A Esperança da Redenção I
– Biografia de Jesus
– Estudo de Atos e Cartas Paulinas
– A Esperança da Redenção II
– Escatologia
As aulas presenciais são ministradas às segundas e quartas feiras no horário de 19:30 às 22: 00 horas. Os alunos poderão gravar os áudios de todas as aulas.
 
Método de Ensino e Avaliação
 
Motivamos o exercício do pensamento e da análise textual. O ensino é desenvolvido de forma que cada tema seja trabalhado com um mediador do conhecimento (professor), além de palestrantes especiais que permeiam a ministração das aulas. No encerramento de cada módulo o aluno redigirá um artigo com tema determinado pelo Abba, que será considerado como prova de final de módulo. Será avaliada a pesquisa bibliográfica, a redação no que diz respeito à organização das idéias de acordo com cada tema, além dos trabalhos solicitados em sala de aula.
 
Matrículas
 
As matrículas podem ser realizadas para início em fevereiro e em agosto de 2015. Consideramos o curso concluso no término de todos os módulos pelo aluno, quando este receberá o certificado.

Calendário

Início das aulas : 2 de fevereiro de 2015
Férias: julho de 2015
Retorno às aulas: 3 de agosto de 2015
Encerramento ano letivo: 4 de dezembro

Para realizar sua matrícula, entre em contato pelo (31) 2512-8969 ou pelo e-mail: cursos@institutoabba.com

SÉRIE: REGRAS GERAIS DE INTERPRETAÇÃO BÍBLICA

Conhecer as Escrituras é vital para vida de um cristão e examinar estes escritos que revelam o plano de Deus para humanidade é um grande privilégio. Nesta série desejamos compartilhar algumas regras importantíssimas para a interpretação das Sagradas Escrituras.

Torah

Antes tudo, vamos atentar para quatro regras básicas para um estudo correto da Bíblia:

  • OBSERVAÇÃO: “Que vejo?”, neste tópico o estudante da Bíblia aborda o texto como um detetive. Ele observa cada pormenor do texto considerando cuidadosamente seus detalhes.
  • INTERPRETAÇÃO: “Que significa?”, neste tópico o estudante deve investigar o texto fazendo-o perguntas como: “O que significa estes detalhes para as pessoas a quem foi dado?”, “O que este texto deseja comunicar?”.
  • CORRELAÇÃO: “Como isto de correlaciona com o restante daquilo que a Bíblia diz?”, neste tópico o estudante deve unir e organizar o assunto com tudo o que a Bíblia diz a respeito dele. É muito importante saber que para uma boa compreensão sobre qualquer assunto nas Escrituras é necessário examinar e compreender o que ela como um todo nos diz a respeito do mesmo.
  • APLICAÇÃO: “Que significa para mim?”, neste tópico o estudante irá usufruir dos três anteriores passos. Ele observou, interpretou, correlacionou e irá aplicar o tesouro descoberto.

Dedicar-se a conhecer as Escrituras é dedicar-se a ouvir a Deus, pois é por meio dela que o Criador se revela.

Acompanhe nossos posts a série está apenas começando, aguardamos você.

Cíntia Silveira.